Hidrovia e Rodovia precisam funcionar juntas no Amazonas

Com um potencial econômico gigantesco, o Amazonas pode utilizar dois modais de transportes, gerando renda e economia juntas. A Hidrovia do Rio Madeira é um modal de transportes de grandes volumes através de balsas e embarcações, diminuindo custos e gerando rendas econômicas para grandes empresas que produzem no polo Industrial de Manaus, a BR 319 que enfrenta dificuldades para funcionar pode somar também o fluxo de transportes rodoviários sem prejudicar o transporte aquaviário, somando forças logísticas aumentando a agilidade no transporte de cargas e passageiros no maior estado brasileiro.

Por mais de 35 anos, o transporte rodoviário pela BR 319 esteve suspenso por falta de manutenção e liberação de licenças ambientais necessárias para a permanência de seu funcionamento. Hoje vivemos o ‘novo’ momento, e já percebemos que, os dois modais de transportes podem funcionar juntos sem prejudicar o transporte de cargas e passageiros de nosso estado.

A Hidrovia do Rio Madeira, precisa urgentemente de sinalização e uma nova carta de navegação que sofreu alteração em seus canais devida o assoreamento natural dos rios e de Dragas e balsas garimpeiras que trabalham ao longo do rio. O DNIT precisa ser mais veloz na solução das atividades em nossas hidrovias, pois o transporte aquaviário, esta com um alto risco de ocasionar acidentes e danos ao meio ambiente.

A BR 319 precisa ter sua licença ambiental ordenada e liberada para o seu asfaltamento, embora esteja funcionando precariamente, a rodovia esta gerando renda ao transporte rodoviário de passageiros e pequenas cargas que precisam ser adequadas e fiscalizadas, como era feito anteriormente em sua inauguração. Não dar pra esquecer que a BR 319 quando asfaltada pela primeira vez, tinha ordenamento no transporte de cargas resumido a caminhões “toco” que poderiam transportar até 15 toneladas.

Então, mesmo sendo um dos estados brasileiros de maior arrecadação fiscal, nossa logística esta comprometida, condenada ao descaso, e a falta de vontade do poder publico em solucionar nossas duas vias de transportes de cargas, no maior estado brasileiro.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here