Concurso da Receita Federal: órgão confirma pedido para 3.360 vagas! Até R$ 21 mil

As oportunidades são para candidatos com níveis médio e superior, com iniciais que chegam a até R$ 21.029,09

A expectativa pela abertura de um novo edital de concurso público (Concurso Receita Federal 2021) é grande. O órgão confirmou que enviou ao Ministério da Economia um novo pedido de autorização para preenchimento de nada menos que 3.360 vagas em diversos cargos.

De acordo com o órgão, a solicitação do Concurso Receita Federal 2021 foi feita dentro do prazo, ou seja, até 31 de maio. A ideia é que o certame tenha recursos previstos no orçamento federal de 2021.

As oportunidades são para candidatos com níveis médio e superior, com iniciais que chegam a até R$ 21.029,09.

O pedido do concurso para áreas tributária e aduaneira visa o preenchimento de 2.050 vagas. Foram 550 para a carreira de auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil e 1.500 para analista-tributário da Receita Federal do Brasil.

O candidato aprovado no cargo de Analista no concurso Receita Federal 2021 fará jus a uma remuneração inicial de R$ 11.684,39, enquanto a carreira de Auditor conta com inicial de R$ 21.029,09.

Além das vagas para analista e auditor, a solicitação também conta com preenchimento de vagas em cargos da área administrativa. Foram pleiteadas 1.000 vagas para assistente técnico administrativo, 270 para analista técnico administrativo, 4 para arquiteto e 16 para engenheiros e 20 para contador.

O cargo de Assistente Técnico Administrativo, de nível médio, tem salário inicial de R$ 4.137,97. Já o cargo de analista técnico administrativo,de nível superior, a remuneração inicial é de R$ 5.490,09. Para arquitetos, engenheiros e contadores, todos com exigência de nível superior, os salários ainda serão confirmados.

Concurso Receita Federal 2021
O secretário de gestão e desempenho de pessoal, Wagner Lenhart, em entrevista ao jornal O Dia, falou sobre autorizações de concursos federais, previstas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020, e destacou a prioridade para reposição de pessoal nas áreas Jurídica, de Tecnologia da Informação (TI) e de Receita.

De acordo com o secretário, as contratações de servidores serão em casos excepcionais, em funções estratégicas. O secretário, vinculado ao Ministério da Economia, revelou que os demais cargos vagos serão substituídos por digitalização.

De acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, para equilibrar as contas da União, será necessária a revisão de gastos obrigatórios, como despesas com servidores. Além disso, é necessário estabelecer uma política de contratação do serviço público.

“Para mudar isso, não pode ter reajuste para servidor e tem de ter menos concurso público. É a mesma coisa que foi feita na segunda metade dos anos 1990”, disse Almeida, em entrevista ao jornal O Globo.

Essa política, na visão do secretário do Tesouro Nacional, deverá ser adotada nos três primeiros anos após a reforma da Previdência.

Os secretários ainda falaram que não há espaço no orçamento para aumento com as despesas de folha salarial. “Isso é uma deliberação que a Casa Civil e o presidente realizam. Nossa recomendação técnica, e não é só nossa, é da Secretaria de Orçamento e Finanças, é de que não haja reajustes ano que vem por falta de recursos”, disse o secretário Wagner Lenhart.
A solução será uma reforma na contratação de servidores federais. A admissão será com salários menores e com novos planos de carreira, de modo que os funcionários não atinjam o teto com facilidade e em poucos anos. “Todo mundo vai ter que fazer isso, inclusive a Justiça”, defendeu o titular da pasta.
Fonte: noticiasconcursos.com.br

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.