Professores rejeitam proposta do governo e falam em radicalizar

Os professores do Sindicato do Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) decidiram, em assembleia extraordinária, no fim da tarde desta segunda-feira, dia 2, manter a categoria em greve. O movimento já dura 15 dias.

Parte deles defende a radicalização do movimento para que o governo conceda aumento de 35% no salário dos professores.

O governo ofereceu 14,7% de aumento, sendo 4,7% em abril e o resto parcelado até dezembro.

A assembleia da categoria ocorreu na Praça do Congresso, Centro de Manaus, com a presença, segundo estimativa do Sinteam, de 4 mil professores.

O sindicato informou que havia na assembleia desta terça-feira representantes de vários municípios do interior. Eles são os principais defensores de atos mais duros para chamar atenção da sociedade como fechar a ponte Rio Negro e ocupar prédios públicos, como a sede da Seduc.

Antes da reunião, a categoria realizou assembleias zonais no interior e em Manaus, que rejeitaram a contraproposta apresentada pelo governo.

Na manhã desta segunda-feira, os professores ganharam apoio para a mobilização por melhoria salarial da Arquidiocese de Manaus por meio de nota oficial.

Pela manhã, a Asprom/Sindical já havia feito sua assembleia decidindo pela continuidade da greve, em frente à sede do governo.

 

Foto: BNC Amazonas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here