Base governista liderada por Vicente Lopes esvazia plenário da Assembleia Legislativa e atropela votação da LOA

A votação da Lei Orçamentária Anual (LOA), marcado para esta quarta-feira, 20, foi atropelada pela base governista que se retirou de plenário por não aceitar o voto de minerva do presidente da Casa, deputado David Almeida, dado a uma matéria que, na votação do plenário, terminou empatada em 12 a 12.

Antes do esvaziamento do plenário, liderado pelo deputado Vicente Lopes (PMDB), os destaques feitos coletivamente já tinha sido aprovados, à propósito da concessão da quarta parcela do escalonamento da Polícia Civil, a promoção da Polícia Militar e o auxílio fardamento.

A Assembleia, segundo o chefe do Poder Legislativo, sempre foi controlada pelo governo, que aprovava tudo. Hoje, conforme ressaltou, tem que haver discussão e entendimento.

“Nós votamos 16 matérias e eu, mesmo, sem apoiar o governo, votei favorável em 14. Só que na apreciação de uma das matérias, a bancada governista não aceitou o posicionamento do plenário. E como houve um empate de 12 a 12 e eu dei o voto de minerva. Eles não gostaram e se retiraram do plenário”, comentou David Almeida. “Ocorre que, ao se retirarem, a matéria já estava aprovada”, completa.

Com apenas 12 deputados presentes em plenário, a reunião foi suspensa e, como consequência, o orçamento não foi votado.

“Se o orçamento não for votado, os deputados não saem de recesso. Eu não tenho viagem marcada e fico aqui o tempo que for necessário. As férias só iniciam após a votação do orçamento”, adverte. De acordo com o regimento é necessário que haja 13 deputados em plenário.

A LOA volta ao plenário para votação nesta quinta-feira, quando também será votada a concessão da isenção do IPVA para as empresas de transporte coletivo. Ambos os projetos são de autoria do Executivo.

O governo teve três derrotas e quando foram votar a LOA os 12 deputados abandonaram a sessão.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.